Política Pandemia

Gestão Crivella é suspeita de superfaturamento em compras da prefeitura durante a pandemia

Segundo relatório, os indícios foram encontrados nas compras de 57 itens, entre eles máscaras de proteção e remédios para combater a Covid-19. Prefeitura teria pago quase R$ 157 milhões a mais.

25/06/2020 13h29 Atualizada há 1 semana
Por: Redação - Noticiário do Rio
 Foto: Gabriel Monteiro / Agência O Globo
Foto: Gabriel Monteiro / Agência O Globo

Um relatório feito por técnicos do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro (TCM-RJ) diz que há indícios de superfaturamento na compra de 57 itens pela prefeitura durante a pandemia.

Segundo o documento, o município pagou quase R$ 157 milhões a mais por remédios e equipamentos de proteção para o combate contra a Covid-19.

Os técnicos do órgão de controle analisaram contratos da Secretaria Municipal de Saúde e da Rio-Saúde, empresa pública da prefeitura, relacionados as compras durante a pandemia do novo coronavírus.

"De forma global, estimou-se o valor do potencial sobrepreço pela diferença entre o valor total cotado (quantidade x valor cotado) e o valor total que seria gasto se fosse utilizado o preço de referência (quantidade x preço de referência), chegando-se ao montante de R$ 156.490.967,60 de diferença em 57 itens", dizia o relatório.

Ao todo, o TCM indicou que, dos 11 fornecedores da prefeitura, seis realizaram acordos suspeitos. Os conselheiros do tribunal determinaram, nesta quarta-feira (24), que a prefeitura e a Rio-Saúde terão cinco dias para apresentarem justificativas para as compras suspeitas.

Prejuízo público

Segundo os técnicos, a lista de mercadorias compradas por um preço maior do que o praticado inclui, principalmente, remédios e equipamentos de proteção, como máscaras e toucas.

Desde o início da pandemia, em março, a Prefeitura do Rio gastou quase R$ 250 milhões na compra de 148 itens de prevenção e combate à doença.

Os R$ 156 milhões, aproximadamente, que deixaram de ser economizados, representam 66% de todos os gastos do município relacionados ao combate à Covid-19 que foram investigados pelo Tribunal de Contas até o momento.

Os fiscais analisaram 11 compras e encontraram vários itens cotados pela prefeitura com valores maiores que os preços de referência.

Máscaras salgadas

Um dos produtos que chamaram atenção dos técnicos são as máscaras de proteção. A empresa LR Lagos que, antes da pandemia, vendia a R$ 0,10 a unidade da máscara descartável, passou a pedir R$ 4,80 por cada item.

Nas compras feitas com as empresas 2 Rios e MLB, o sobrepreço foi de 2.400%. O produto passou de R$ 0,10 para R$ 2,50.

A variação também foi grande nos acordos firmados com a empresa China Meheco, quando as máscaras passaram a ser vendidas a R$ 2,49 a unidade.

As máscaras N95, consideradas mais eficazes para profissionais de saúde em ambientes contaminados, também podem ter sido superfaturadas. Segundo o TCM, a empresa DBV cotou cada unidade a R$ 59,90. Antes, o preço era de R$ 2,40. Um sobrepreço de 2.396%.

Os contratos com a DBV para a compra desse tipo de máscara garantiram a comercialização de 32 mil unidades do produto para a prefeitura. Foram gastos quase R$ 2 milhões.

Comprimidos também despertaram a atenção dos técnicos do TCM. O produto Propranolol, vendido pela empresa Preciosa, subiu de R$ 0,01 a unidade para R$ 0,22 cada.

Já as toucas cirúrgicas, a prefeitura comprou da China Meheco por R$ 0,56 cada unidade do produto, que antes era cotado por R$ 0,06.

Ao todo, o TCM indicou que dos 11 fornecedores da prefeitura, seis realizaram acordos suspeitos.

R$ 68 milhões já foram pagos

De todos os contratos suspeitos, a prefeitura já empenhou, ou seja, já separou R$ 130 milhões para pagar as compras combinadas. Desse total, R$ 68 milhões já saíram dos cofres públicos.

Os conselheiros do TCM determinaram, nesta quarta-feira (24), que a prefeitura e a Rio-Saúde terão cinco dias para apresentarem justificativas para as compras suspeitas.

"Cerca de 66% do volume total comprado, tem sobrepreço. São R$ 166 milhões que poderia ser em tese superfaturamento. As propostas não refletem a demanda real, havendo assim a possibilidade do superfaturamento", disse o conselheiro Felipe Puccioni.

O outro lado

A prefeitura não respondeu aos contatos feitos pela reportagem, até a última atualização dessa reportagem. A reportagem também não conseguiu falar com os representantes das empresas citadas.

Com informações do G1. 

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Rio de Janeiro - RJ
Atualizado às 00h01 - Fonte: Climatempo
20°
Alguma nebulosidade

Mín. 12° Máx. 29°

20° Sensação
6 km/h Vento
78% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (06/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 32°

Sol com algumas nuvens
Terça (07/07)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 30°

Sol com algumas nuvens
Anúncio