Política Opinião

Jair Bolsonaro e o Macaco Tião

As consequências do voto de protestos foram longe demais.

22/07/2020 18h53
Por: Walter M. Leiras
Jair Bolsonaro e o Macaco Tião

 

Na eleição de 2018, uma única coisa era comum entre todos os brasileiros: o descontentamento com a gestão pública e os diversos escândalos de corrupção que atingiam o pais; principalmente aqui no Rio de Janeiro, onde conseguimos a proeza de ter governadores, deputados e presidentes da Assembleia Legislativa envolvidos em corrupção. Chegamos ao ponto em que até membros do Tribunal de Contas do Estado estavam envolvidos na roubalheira.

 

No mesmo momento, estávamos acabando de sair de um impeachment conturbado, de uma economia em declínio e o desemprego crescente. A receita do caos estava instaurada; faltava apenas um ingrediente, um catalizador. E esse catalizador surgiu: um parlamentar do baixo clero da Câmara Federal, que já rondava a política há anos, que desde 1988 frequentava a Câmara dos Vereadores da capital carioca, que conseguiu navegar nas ondas das redes sociais com os discursos da nova política, mesmo estando lá antes mesmo do seu grande antagonista conseguir assumir o Poder Executivo federal.

Como se o voto de protesto, com toda a indignação com a classe politica finalmente conseguisse ganhar forma, mesmo que ironicamente escolhendo um dos velhos nomes do cenário nacional, mas não foi a primeira vez o Brasil viu isso acontecer.

 

Aqui no Rio de Janeiro, há cerca de 30 anos, tínhamos uma figura que também surgiu para consolar os cariocas da dor e ódio que sentiam após grande tempo com gestões ruins. E não estou falando de nenhum vereador, deputado ou empresário local, mas sim de um nome muito popular, porém não tão tradicional.

 

Dentro do zoológico carioca morava o candidato mais bem falado nas eleições de 1988, o macaco Tião, ou Tião Independente como preferir, uma brincadeira que surgiu em forma de criar voto de protesto com os nomes comuns que já rondavam as eleições para prefeitura do Rio, entre eles Marcello Alencar (PDT), Jorge Bittar (PT) e Artur da Távola (PSDB). O nome do candidato inusitado ganhou força com apoio do Fernando Gabeira (PV), que era deputado na época.

A campanha popular foi tão grande que muitas pessoas começaram a pedir votos para o chimpanzé mais querido do Rio; foi elaborada na época até uma entrevista, virou capa de jornal e ganhou a boca do povo, conseguindo reunir mais de 400mil votos, sendo o terceiro mais votado na eleição.

Em 2018 não foi diferente: o descontentamento, a falta de perspectiva nos nomes tradicionais e a vontade de renovar a política a todo custo trouxe o nome de Jair Bolsonaro à presidência do Brasil. Entre chimpanzés, robôs multiplicadores de likes e minions, a candidatura do homem que, outrora, era motivo de piada nos programas humorísticos da TV aberta, foi inflada e ganhou uma força tão descomunal que venceu a eleição. 

O problema do voto de protesto está justamente no fato de que, quando pensamos com a revolta, colocamos chimpanzés no poder, e deixamos a racionalidade de fora. Quantos candidatos mais qualificados, em todos os sentidos, poderiam estar ocupando a cadeira do rei desta selva chamada Brasil? 

 

Se o macaco Tião teria feito melhor pelo Rio de Janeiro do que Marcello Alencar, não sabemos. Mas, certamente, estamos sentindo o amargo sabor de ter deixado nosso chimpanzé de estimação sair de sua jaula. Agora, temos que aguentar as macaquices.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Rio de Janeiro - RJ
Atualizado às 06h02 - Fonte: Climatempo
21°
Alguma nebulosidade

Mín. 18° Máx. 28°

21° Sensação
9 km/h Vento
88% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (23/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 17° Máx. 31°

Sol com algumas nuvens
Sábado (24/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 18° Máx. 32°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Mais lidas
Anúncio